sexta-feira, 28 de janeiro de 2011

EDUCAÇÃO... Desabafo de um professor!


A deficiência da educação pernambucana



Não é nenhuma novidade para o nós o fato de que a educação brasileira sofre um certo amortecimento que tende a se agravar dia após dia. Pois bem, parece ser fato já consumado, já que terminamos nos acostumando, tornou-se algo corriqueiro. A questão é que nós que somos comprometidos com a educação não podemos ficar de olhos fechados, ou ainda, ficar em cima do camarote vendo e aplaudindo a defasagem que aí está. 
Há poucos anos, o ex-presidente Lula, assinou uma lei tornando obrigatório o ensino de Filosofia e Sociologia. Isso não é novidade... o problema é o descaso com que se verifica na aplicabilidade da Lei. É também sabido por muita gente do compromisso do governo de Pernambuco com a Educação, compromisso esse que não passa de um mascaramento da realidade, ou de uma certa alienação coletiva, parecida com o "Pão e circo" da  Roma antiga.
O cenário da educação pernambucana pode ser sintetizada da seguinte forma: professores mal remunerados, haja vista que o salário dessa classe é um dos menores em relação aos demais estados brasileiros, além disso o professor é obrigado a pegar uma série de disciplinas para completar sua carga horária. Aí nós temos, professores de Português com Ciências, Geografia. Professor de História com Filosofia e assim por diante... O que é mais intrigante  é que isso não só ocorre nas escolas regulares, como também nas chamadas "escolas de Referência". Como pode ser uma educação de qualidade se não respeita a qualificação do profissional?
A era moderna é caracterizada pelas especializações, não existe hoje profissional polivalente. Ele foi formado mediante uma formação específica. 
Portanto, para termos uma educação de qualidade,  para termos "escolas de referência", o primeiro passo é respeitar as especialidades do conhecimento, professor formado em Filosofia dando aula de Filosofia, e assim por diante. Depois valorizar o profissional, lembrar que o desenvolvimento depende dele também... Depois ser realista, não é mascarando a realidade que vai  se resolver o problema... o problema só é verdadeiramente solucionado quando se é encarado de frente...

Texto e postagem: 
Eudes Henrique


2 comentários:

  1. Este comentário foi removido por um administrador do blog.

    ResponderExcluir
  2. Não sei se podemos chamar isso de "desabafo", já que muitas vezes, desabafo soa como uma certa "indignação" pessoal, que não precisa necessariamente está associado com a coletividade. Pelo que sei a educação é uma questão coletiva e deve ser encarada como tal.
    O objetivo não foi fazer um mero desabafo, pois não se trata de uma opinião meramente pessoal. A realidade aí está, qualquer um pode ver, basta olhar com os olhos da razão, sem se deixar levar por discursos falaciosos de alguns. Nesse interim, queremos, mais que fazer um desabafo, instigar a sociedade acerca de um problema existente e real.

    ResponderExcluir